Neurotransmissão Química

 

Sinais dos Neurotransmissores

 

 

Alguns sinais dos neurotransmissores têm início rápido (neurônios-coelho/lebre A e C), enquanto outros sinais de transmissão têm início lento (neurônio-tartaruga B). O neurotransmissor glutamato (neurônio A) têm início rápido e é excitatório (+), enquanto o neurotransmissor GABA (neurônio C) tem início rápido e é inibitório (-). Ao contrário dos sinais rápidos do glutamato e do GABA, a neurotransmissão ocasionada por neurotransmissores denominados monoaminas ou neuropeptídios tende a ser de início lento (neurônio B) e é excitatória (+) ou inibitória (-). Rápido nesse contexto significa alguns milissegundos, enquanto sinais lentos são muitos milissegundos ou até mesmo alguns segundos completos.

Os neurotransmissores de início mais lento podem, no entanto, ter ação prolongada. São denominados neuromoduladores, já que podem modular um sinal diferente de outro neurotransmissor. Nesta figura, três neurônios (A,B,C) estão transmitindo para um dentrito pós-sináptico no mesmo neurônio. Se o sinal de A ou C. Assim, um sinal neuromodulador de ação prolongada do neurônio B pode estabelecer o ritmo do neurônio pós-sináptico, não apenas por meio de sua própria ação primária, como também pela modificação da ação dos neurônios A e C.

 

 

Neurotransmissores Múltiplos

 

O número de neurotransmissores conhecidos já beira várias dúzias (Tabela 1). Com base em considerações teóricas sobre a quantidade de material genético dos neurônios, pode haver várias centenas ou milhares de substâncias químicas no cérebro. Há alguns anos conhecia-se apenas aproximadamente meia dúzia de neurotransmissores "clássicos". Nos últimos anos, o número de neurotransmissores que estão sendo descobertos é crescente. Os neurotransmissores clássicos são aminas ou aminoácidos de peso molecular relativamente pequeno. Atualmente sabemos que cadeias de aminoácidos denominados peptídios também podem ter ação neurotransmissora e muitos dos neurotransmissores descobertos recentemente são peptídios, especificamente denominados neuropeptídios (Figura 1).

 

 

Aminas

Serotonina (5HT)

Dopamina (DA)

Noradrenalina (NA)

Adrenalina (A)

Acetilcolina (Ach)

Tiramina

Octopamina

Feniletilamina

Triptamina

Melatonina

Histamina

Peptídeos Hipofisários

Corticotrofina (ACTH)

Hormônio do crescimento (GH)

Lipotrofina

Hormônio alfa-melanócito estimulante (alfa-MSH)

Ocitocina

Vasopressina

Hormônio tireóide-estimulante (TSH)

Prolactina

Hormônios Circulantes

Angiotensina

Calcitonina

Glucagon

Insulina

Leptina

Fator natriurético atrial

Estrogênios

Androgênios

Progestinas

Hormônios tireoidianos

Hormônios Hipotalâmico-Liberadores

Fator liberador de corticotrofina (CRH)

Hormônio liberador de gonadotrofina (GnRH)

Somatostatina

Hormônio liberador de tireotrofina (TRH)

 

Aminoácidos

Ácido gama-aminobutírico (GABA)

Glicina

Ácido glutâmico (glutamato)

Ácido aspártico (aspartato)

Gama-hidroxibutirato

Hormônios Intestinais 

Colecistocinina (CCK)

Gastrina

Motilina

Popileptídio pancreático

Secretina

Peptídio intestinal vasoativo(VIP)

Peptídios Opióides

Dinorfina

Beta-endorfina

Metencefalina

Leuencefalina

Quiotorfina

Peptídios Diversos

Bombesina

Bradicinina

Carnosina

Neuropeptídio Y

Neurotensina

Fator do sono delta

Galanina

Oxerina

Gases

Óxido nítrico (NO)

Monóxido de carbono (CO)

Neurotransmissor Lipídico

Anandamida

Neurocininas/Taquicininas

Substância P

Neurocinina A

Neurocinina B

 

 

 

Tabela 1- Neurotransmissores Cerebrais

 

 

Síntese de Neurotransmissor no Neurônio Neuropeptidérgico

 

 

Figura 1 - Síntese de Neurotransmissor

 

A síntese de neurotransmissor ocorre apenas no corpo celular porque a complexa maquinária para a síntese de neuropeptídio não é transportada para o terminal axônico. A síntese de um neuropeptídio específico se inicia com a transcrição do gene pré-pró-peptídio no núcleo celular em RNA primário que pode ser reorganizado ou "editado" para criar diferentes versões de RNA, denominadas variantes alternativas de junção ou RNA pré-pró-peptídio. A seguir, o RNA é traduzido em um pré-pró-peptídio, que penetra o retículo endoplasmático, onde seu terminal peptídico é cortado pela enzima denominada peptidase de sinal pra formar o pró-peptídio, precursor direto do neurotransmissor neuropeptídio. Finalmente, o pró-peptídio penetra as vesículas sinápticas, onde é convertido no próprio neuropeptídio. Vesículas sinápticas carregadas com neurotransmissores neuropeptídios são transportadas para os terminais axônicos, onde não há bomba de recaptação para os neuropeptídios. A ação dos peptídios é interrompida por peptidases catabólicas, que dividem o neurotransmissor peptídio em metabólitos inativos.

 

Sinapses

 

 

Sinapses são formadas em velocidade intensa entre o nascimento e aos 6 anos de idade. Contudo, há eliminação competitiva e reestruturação das sinapses, fenômeno que atinge seu máximo durante a puberdade e a adolescência, deixando para a vida adulta aproximadamente metade a dois terços das sinapses presentes na infância.