Um Breve Resumo Sobre a História da Psiquiatria
 
 
 
        Casos de perturbações mentais estão registrados por toda a História e são, desde as épocas mais remotas, citados por historiadores, poetas, pintores, escultores e médicos. Apenas para citar algumas figuras históricas conhecidas, temos os exemplos dos Imperadores Romanos Calígula e Nero, os reis franceses Clóvis II e Carlos VI, este último chamado de Carlos, o Louco, o qual acreditava ser feito de vidro e que inseria pequenas hastes de ferro em suas roupas a fim de prevenir que se partisse em pedaços.

        Há registros de que em civilizações muito antigas, como Babilônia e Egito, havia indivíduos, muitos deles sacerdotes, os quais descreveram alguns transtornos mentais, mesclando explicações místico-religiosas em suas descrições. Os egípcios, pelo seu conhecimento em anatomia humana, adquirido pelo hábito de embalsamar cadáveres, produziram escritos destacando o papel do cérebro e do útero na origem de transtornos mentais, sendo o termo histeria (de hysteros, útero) utilizado até mesmo em nossos dias.

        Na Grécia, algumas doenças mentais eram vistas como sendo vinganças dos deuses, porém com o materialismo grego, passou a atentar mais detalhada e profundamente para aspectos naturais como sendo causadores de doenças mentais, e nessa época foram iniciados tratamentos médicos para alguns transtornos, dos quais não participava a mitologia grega. Empédocles (séc V A.C.) foi um desses precursores.

        Hipócrates (460-377 A.C), por muitos chamado de o pai da medicina, foi o primeiro a afirmar que a epilepsia era uma doença cerebral, e, sabiamente, dizia que a cura das doenças se dá com a participação principal da própria natureza, sendo os médicos apenas auxiliares para os processos de cura. Para ele o cérebro era o órgão central e principal do corpo humano, de onde provinham os pensamentos e as emoções. Os seguidores de Hipócrates parecem ter sido os primeiros a produzir uma classificação das doenças mentais.



        Porém durante o período medieval consta, segundo alguns autores, que prevaleciam as explicações místico-religiosas para a origem de transtornos mentais. E a Inquisição da Igreja Católica Romana torturava e queimava doentes mentais em fogueiras sob a alegação de que necessitavam ser destruídos, pois estariam possessos por demônios. E as supostas possessões teriam se iniciado por algum envolvimento deliberado desses doentes com o Diabo.

        O primeiro grande passo para o progresso científico da Psiquiatria ocorreu apenas no século XVIII, com os estudos do médico francês Philippe Pinel, o qual instituiu reformas humanitárias para o cuidado com os doentes mentais. No século XIX, Dorothea Dix lutou por melhoras nas condições dos locais que abrigavam doentes mentais. O médico alemão Emil Kraepelin foi o primeiro a subdividir as Psicoses em dois grupos: A Psicose Maníaco-Depressiva e a Esquizofrenia.

        No caminho do grande desenvolvimento científico do século XIX, a medicina se firmou como uma ciência. A psiquiatria veio a se firmar como ciência médica algumas décadas mais tarde.

        A psiquiatria acompanhou, em ritmo mais lento do que outras especialidades, o desenvolvimento da Medicina como ciência. Porém, devido ao complexo objeto da Psiquiatria, a mente humana, houve uma mescla temporária científico-filosófica da Psiquiatria com a Psicologia, esta última surgida da filosofia em meados do século XIX.


        http://www.dradnet.com/