Ministério da Saúde
Secretaria Nacional de Programas Especiais de Saúde
Divisão Nacional de Doenças Crônicas-Degenerativas

         

O PACIENTE DE PARKINSON


               
O que você e sua família devem saber sobre esta doença.

 Introdução

Cada ano, muitos brasileiros descobrem que têm o mal de Parkinson. Se isto aconteceu com você ou com alguém de sua família, é importante saber que, por um certo período, quase todos os sintomas podem responder aos métodos de tratamento hoje existentes. A terapia com drogas apropriadas pode ajudar no alívio dos sintomas de muitos pacientes. Entretanto, nem todos respondem da mesma maneira, ao mesmo tratamento. Novos métodos para controlar a doença, incluindo cirurgias e tentativas de novos tratamentos, estão sendo desenvolvidos.
  

O que é a Doença de Parkinson?
  
         É uma doença que progride vagarosamente, na maioria das vezes associada com tremor ou tremido dos braços e pernas, endurecimento e rigidez dos músculos e lentidão dos movimentos. A função mental geralmente é poupada. A causa da doença ainda é desconhecida, apesar de alguns especialistas acreditarem que o problema é relacionado a um desequilíbrio no cérebro. Pode afetar tanto o homem como a mulher, geralmente com 40 ou mais anos de idade, de qualquer raça.
 

Como aparece e progride a doença?
 
         Os sintomas variam de paciente para paciente. Em muitos casos pode aparecer com um ligeiro tremor em uma mão ou braço. Decorrido algum tempo, o sintoma pode se espalhar e envolver ambos os braços e pernas. O tremor é mais comum quando o paciente está descansado ou sob tensão emocional. Geralmente diminui durante exercício físico e desaparece durante o sono. O endurecimento ou rigidez dos músculos é outro sintoma precoce que torna difícil o ato de levantar-se de uma cadeira ou virar-se. Movimentos delicados, como abotoar roupas, podem ficar difíceis. Movimentos vagarosos e dificuldade em iniciar movimentos podem aparecer ao mesmo tempo em que a rigidez. Assim, caminhar pode tornar-se problemático e requerer uma certa quantidade de esforço. Ocasionalmente, o paciente de Parkinson pode parar e achar difícil recomeçar a caminhar. Nos casos severos, pode haver uma tendência a caminhar com passos pequenos, rápidos e arrastados, com o corpo inclinado para frente. Outros sintomas incluem uma expressão facial fixa, problemas de equilíbrio ou diminuição do volume da voz. Estes sintomas aparecem vagarosamente e não em uma seqüência especial. Muitos anos podem passar até que os sintomas progridam a ponto de interferir com as atividades normais.
 

A doença é hereditária ou contagiosa?
  
         Não há provas de que seja hereditária e é improvável que seja contagiosa.
 

Há cura?

         Apesar de não se conhecer a cura, muitos pacientes respondem bem ao uso de medicamentos e terapia física. A cirurgia, em pacientes selecionados, pode ajudar. A doença não pode ser prevenida. O tratamento apropriado permite que muitos pacientes trabalhem e tenham uma vida ativa por muitos anos.