Transtornos Mentais devidos à uma Condição Médica Geral

     DSM.IV

          Um Transtorno Mental Devido a uma Condição Médica Geral é caracterizado pela presença de sintomas mentais considerados como a conseqüência fisiológica direta de uma condição médica geral. A expressão condição médica geral refere-se a condições codificadas no Eixo III e listadas fora do capítulo "Transtornos Mentais" da CID (ver Apêndice G para uma lista condensada dessas condições). Conforme discutimos na "Introdução" deste manual, a manutenção de uma distinção entre transtornos mentais e condições médicas gerais não implica que existam diferenças fundamentais em sua conceitualização, que os transtornos mentais não estejam relacionados a fatores ou processos físicos ou biológicos, ou que as condições médicas gerais não estejam relacionadas a fatores ou processos comportamentais ou psicossociais. A finalidade da distinção entre condições médicas gerais e transtornos mentais é encorajar a avaliação minuciosa e oferecer um termo abreviado para facilitar a comunicação entre os profissionais da saúde. Entretanto, na prática clínica, espera-se o emprego de uma terminologia mais específica, para a identificação da condição específica envolvida. No DSM-III-R, os Transtornos Mentais Devido a uma Condição Médica Geral e os Transtornos Induzidos por Substâncias eram chamados de transtornos "orgânicos" e listados em conjunto em um única seção. Esta diferenciação de transtornos mentais "orgânicos" como uma classe separada implicava a existência de transtornos mentais "não-orgânicos" ou "funcionais" que, de alguma forma, não apresentavam relação com fatores ou processos físicos ou biológicos. O DSM-IV elimina o termo orgânico e faz uma distinção entre os transtornos mentais devido a uma condição médica geral, os transtornos induzidos por substâncias e aqueles sem uma etiologia específica. A expressão transtorno mental primário é usado para indicar de forma abreviada aqueles transtornos mentais que não se devem a uma condição médica geral nem são induzidos por uma substância. Os textos e os critérios para três desses transtornos (isto é, Transtorno Catatônico Devido a uma Condição Médica Geral, Alteração da Personalidade Devido a uma Condição Médica Geral e Transtorno Mental Sem Outra Especificação Devido a uma Condição Médica Geral) são incluídos nesta seção. O texto e critérios para as condições listadas adiante são colocados em outras seções do manual, com os transtornos cuja fenomenologia compartilham. O manual foi organizado desta forma para alertar os médicos quanto à consideração desses transtornos ao fazerem um diagnóstico diferencial com os seguintes quadros:

293.0 Delirium Devido a uma Condição Médica Geral.
——.— Demência Devido a uma Condição Médica Geral.
294.0 Transtorno Amnéstico Devido a uma Condição Médica Geral.
F06.x - 293.8x Transtorno Psicótico Devido a uma Condição Médica Geral.
F06.xx - 293.83 Transtorno do Humor Devido a uma Condição Médica Geral.
F06.4 - 293.89 Transtorno de Ansiedade Devido a uma Condição Médica Geral.
——.— Disfunção Sexual Devido a uma Condição Médica Geral.
G47.x - 780.5x Transtorno do Sono Devido a Uma Condição Médica Geral.

Características Diagnósticas
          Três critérios aparecem nos conjuntos de critérios para cada um dos Transtornos Mentais Devido a Uma Condição Médica Geral:

          B. Existem evidências, a partir da história, exame físico ou achados laboratoriais, de que a perturbação é a conseqüência fisiológica direta de uma condição médica geral. A aplicação deste critério exige dois julgamentos distintos: de que uma condição médica geral está presente (determinada pela história, exame físico ou avaliação laboratorial) e de que a perturbação (por ex., sintomas psicóticos, de humor ou de ansiedade) está etiologicamente relacionada a uma condição médica geral através de um mecanismo fisiológico. Embora não existam diretrizes infalíveis para determinar um relacionamento etiológico entre a perturbação e a condição médica geral, diversas considerações oferecem alguma orientação nesta área. Uma dessas considerações é a presença de uma associação temporal entre início, exacerbação ou remissão da condição médica geral e o transtorno mental (por ex., sintomas de ansiedade em um indivíduo com adenoma de paratiróide, que se resolve depois que a excisão cirúrgica restaura um nível de cálcio sérico normal). Embora evidências de um estreito relacionamento temporal freqüentemente sejam úteis para a elaboração de um julgamento quanto à etiologia, existem muitas exceções. Por exemplo, um Transtorno Psicótico Devido à Epilepsia pode surgir muitos anos após o início das convulsões. Em contrapartida, os sintomas e sinais de um transtorno mental podem estar entre as primeiras manifestações de uma doença sistêmica ou cerebral, aparecendo meses ou anos antes da detecção do processo patológico básico (por ex., humor deprimido precedendo os movimentos coreiformes na doença de Huntington). Os Transtornos Mentais Devido a uma Condição Médica Geral também podem persistir após a resolução da condição médica geral (por ex., humor deprimido persistindo após a reposição do hormônio da tiróide). Além disso, um Transtorno Mental Devido a uma Condição Médica Geral pode ser passível de tratamento sintomático mesmo enquanto a condição médica geral permanece ativa (por ex., depressão na epilepsia). O tratamento voltado para a condição médica geral que alivia os sintomas tanto desta condição quanto da perturbação mental pode oferecer evidências mais vigorosas de um relacionamento etiológico. Uma segunda consideração importante diz respeito à presença de características atípicas do transtorno mental primário. Um exemplo mais comum é uma idade de início ou curso atípicos (por ex., primeiro aparecimento de sintomas tipo esquizofrênicos em um indivíduo de 75 anos). Pode haver características associadas incomuns (por ex., alucinações visuais ou táteis acompanhando [163]episódios tipo depressão maior) ou características diagnósticas desproporcionalmente mais severas do que o esperado, tendo em vista o quadro geral (uma perda de peso de 25 kg em um indivíduo com sintomas depressivos de outro modo leves poderia sugerir a presença de uma condição médica geral subjacente). O médico deve estar particularmente atento à presença de déficits cognitivos significativos desproporcionais aos tipicamente encontrados no transtorno mental primário. Evidências da literatura, descrevendo uma associação bem-estabelecida ou freqüentemente encontrada entre a condição médica geral e a fenomenologia de um transtorno mental específico, podem ser úteis na avaliação de determinada situação. Esses estudos podem oferecer evidências de uma associação etiológica plausível entre os sintomas mentais e a condição médica geral (por ex., localização da lesão ou um mecanismo fisiopatológico conhecido que tende a afetar a função cerebral) e evidências de uma taxa elevada de prevalência dos sintomas mentais (isto é, acima da taxa básica em uma população apropriada de controle) em indivíduos com a condição médica geral. Embora essas evidências sugiram uma possível ligação causal entre um transtorno mental e determinada condição médica geral, elas não são suficientes para definir um caso individual, uma vez que as pesquisas geralmente refletem médias grupais, ao passo que o clínico procura tomar uma decisão diagnóstica relativa a um único indivíduo. O texto para cada um dos Transtornos Mentais Devido a uma Condição Médica Geral específicos contém uma lista de algumas das condições médicas gerais que a literatura observa em associação com este transtorno mental específico.

          C. A perturbação não é melhor explicada por outro transtorno mental. Ao fazer o diagnóstico de Transtorno Mental Devido a uma Condição Médica Geral, é necessário descartar transtornos mentais primários e transtornos mentais induzidos por substâncias. A eliminação da possível existência de transtornos mentais primários freqüentemente é difícil, porque os indivíduos que os apresentam em geral têm condições médicas gerais simultâneas que não estão causando os sintomas mentais através de mecanismos fisiológicos diretos. Inúmeros outros relacionamentos podem existir entre um transtorno mental e uma condição médica geral: esta pode exacerbar os sintomas e complicar o tratamento do transtorno mental; os dois podem estar relacionados através de mecanismos não-fisiológicos, ou a ocorrência concomitante pode ser uma coincidência. Quando os sintomas depressivos são precipitados pela condição médica geral que age como um estressor psicossocial, por exemplo, ao invés de resultar dos efeitos fisiológicos diretos da condição médica geral, aplica-se o diagnóstico de Transtorno Depressivo Maior ou Transtorno de Ajustamento Com Humor Deprimido. Em um indivíduo com sintomas depressivos simultâneos a uma condição médica geral, uma história de muitos Episódios Depressivos Maiores ou uma história familiar de depressão sugere um diagnóstico de Transtorno Depressivo Maior, ao invés de Transtorno do Humor Devido a uma Condição Médica Geral. Finalmente, o clínico deve considerar também se os sintomas mentais são causados por uma droga de abuso, um medicamento ou exposição a uma toxina (ver p. 187 para diretrizes). Isto é especialmente importante, uma vez que muitos indivíduos com condições médicas gerais recebem medicamentos potencialmente causadores de um Transtorno Mental Induzido por Substância.

          D. A perturbação não ocorre exclusivamente durante o curso de um delirium. Se os sintomas (por ex., psicóticos, de humor, de ansiedade) ocorrem apenas durante períodos de delirium, eles são considerados como características associadas do delirium e não indicam um diagnóstico em separado. Essas condições (por ex., Transtorno do Humor Devido a uma Condição Médica Geral) podem ser diagnosticadas em separado apenas se ocorrem em momentos outros que não durante o delirium.

Procedimentos de Registro
          No registro de um Transtorno Mental Devido a uma Condição Médica Geral, o clínico deve anotar tanto o tipo de perturbação mental quanto a condição médica geral etiológica no Eixo I (por ex., 293.83 Transtorno do Humor Devido a Hipotiroidismo, Com Características Depressivas). O código da CID-9-MC para a condição médica geral (por ex., 244.9 hipotiroidismo) também deve ser anotado no Eixo III. Em situações nas quais o clínico determinou que os sintomas mentais não são uma conseqüência fisiológica direta da condição médica geral, o transtorno mental primário deve ser codificado no Eixo I e a condição médica geral deve ser codificada no Eixo III (ver Apêndice G para uma lista dos códigos diagnósticos selecionados da CID-9-MC para condições médicas gerais).

Diagnóstico Diferencial
          Um Transtorno Mental Devido a uma Condição Médica Geral é diferenciado de um transtorno mental primário pela aplicação dos critérios discutidos anteriormente nesta seção, no subtítulo "Características Diagnósticas". Quando os sintomas de um transtorno mental e de uma condição médica geral ocorrem ao mesmo tempo, é especialmente importante determinar se o relacionamento etiológico, caso exista, é diretamente fisiológico (então o diagnóstico é de Transtorno Mental Devido a Uma Condição Médica Geral) ou ocorre através de um outro mecanismo (ou seja, o diagnóstico é de um transtorno mental primário). Em alguns casos, o desenvolvimento de uma condição médica geral ou a presença de uma deficiência associada pode precipitar ou exacerbar um transtorno mental, sem qualquer ligação conhecida (por ex., a incapacitação associada com a osteoartrite pode exercer um papel no desenvolvimento de sintomas depressivos ou de um Transtorno Depressivo Maior, mas não existe qualquer mecanismo fisiológico conhecido que fundamente uma relação etiológica entre a artrite e os sintomas depressivos). Nesta situação, o transtorno mental primário (isto é, Transtorno de Ajustamento ou Transtorno Depressivo Maior) deve ser diagnosticado no Eixo I e a condição médica geral (isto é, osteoartrite) deve ser listada no Eixo III. Um Transtorno Mental Devido a Uma Condição Médica Geral também deve ser diferenciado de um Transtorno Induzido por Substância. Se existem evidências de uso recente ou prolongado de uma substância (incluindo medicamentos com efeitos psicoativos), de abstinência de uma substância ou de exposição a uma toxina, deve-se pensar em um Transtorno Induzido por Substância. Pode ser útil obter um exame de sangue ou de urina ou outro procedimento laboratorial apropriado para a droga. Os sintomas que ocorrem durante ou logo após (isto é, em 4 semanas) a intoxicação significativa com uma substância ou durante a abstinência ou uso de um medicamento podem ser especialmente indicativos de um Transtorno Induzido por Substância, dependendo do tipo ou da quantidade de substância usada e do período de utilização. Delirium, demência, sintomas psicóticos, de humor, de ansiedade ou do sono ou uma disfunção sexual podem ser causados pelos efeitos combinados de uma condição médica geral e uso de substância (incluindo medicamentos). Nessas situações, deve-se enumerar ambos os diagnósticos (por ex., Transtorno do Humor Devido a uma Condição Médica Geral e Transtorno do Humor Induzido por Substância). Caso não seja possível determinar se os sintomas mentais se devem a uma condição médica geral ou são induzidos por substância, pode-se usar a categoria Sem Outra Especificação (ver discussão adiante). Quando, como ocorre com freqüência, o quadro de um Transtorno Mental Devido a Uma Condição Médica Geral contém um misto de diferentes sintomas (por ex., de humor e ansiedade), em geral é aconselhável determinar um único diagnóstico com base nos sintomas predominantes do quadro clínico. Em algumas situações, não é possível definir se os sintomas mentais são primários, devido a uma condição médica geral ou induzidos por substância. A categoria Sem Outra Especificação deve ser usada em tais situações.

F06.1 - 293.89 Transtorno Catatônico Devido a Uma Condição Médica Geral

     DSM.IV

Características Diagnósticas
          A característica essencial do Transtorno Catatônico Devido a Uma Condição Médica Geral é a presença de uma catatonia que se julga ser devido aos efeitos fisiológicos diretos de uma condição médica geral. A catatonia é manifestada por qualquer um dos seguintes sintomas: imobilidade motora, atividade motora excessiva, extremo negativismo ou mutismo, peculiaridades dos movimentos voluntários, ecolalia ou ecopraxia (Critério A). Deve haver evidências, a partir da história, exame físico ou achados laboratoriais, de que a catatonia é a conseqüência fisiológica direta de uma condição médica geral (Critério B). O diagnóstico não é feito se a catatonia é melhor explicada por outro transtorno mental (por ex., Episódio Maníaco) (Critério C) ou se ocorre exclusivamente durante o curso de um delirium (Critério D). A imobilidade motora pode manifestar-se como cataplexia (flexibilidade cérea) ou estupor. A atividade motora excessiva aparentemente não possui um objetivo nem é influenciada por estímulos externos. Pode haver extremo negativismo, manifestado por resistência a todas as instruções ou pela manutenção de uma postura rígida, contrariando tentativas de movimentação passiva. As peculiaridades do movimento voluntário manifestam-se pela adoção voluntária de posturas inadequadas ou bizarras ou por trejeitos faciais proeminentes. A ecolalia é a repetição patológica, "como um papagaio" e aparentemente sem sentido, de uma palavra ou frase recém- falada por outra pessoa. A ecopraxia é a imitação repetitiva dos movimentos de outra pessoa.

Procedimentos de Registro
          Ao registrar Transtorno Catatônico Devido a Uma Condição Médica Geral, o clínico deve anotar tanto a fenomenologia específica da perturbação quanto a condição médica geral identificada supostamente causadora da perturbação no Eixo I (por ex., 293.89 Transtorno Catatônico Devido a Neoplasma Cerebral Maligno). O código da CID-9-MC para a condição médica geral (por ex., 191.9 neoplasma cerebral maligno) também deve ser anotado no Eixo III (ver Apêndice G para uma lista dos códigos diagnósticos selecionados da CID-9-MC para condições médicas gerais).

Condições Médicas Gerais Associadas
          Uma variedade de condições médicas gerais pode causar catatonia, especialmente condições neurológicas (por ex., neoplasmas, traumatismo craniano, doença cerebrovascular, encefalite) e condições metabólicas (por ex., hipercalcemia, encefalopatia hepática, homocistinúria, cetoacidose diabética). Os achados físicos associados, de achados laboratoriais e padrões de prevalência e início refletem a condição médica geral etiológica.

Diagnóstico Diferencial
          Um diagnóstico de Transtorno Catatônico Devido a Uma Condição Médica Geral não é feito se a catatonia ocorre exclusivamente durante o curso de um delirium. Se o indivíduo está atualmente consumindo medicamentos neurolépticos, Transtornos dos Movimentos Induzidos por Substâncias devem ser considerados (por ex., uma postura anormal pode ser devido à Distonia Aguda Induzida por Neuroléptico). Os sintomas catatônicos também podem estar presentes na Esquizofrenia e Transtornos do Humor. A Esquizofrenia, Tipo Catatônico, é diferenciada pela ausência de evidências de uma condição médica geral etiologicamente relacionada à catatonia e pela presença de outros sintomas característicos de Esquizofrenia (por [166]ex., delírios, alucinações discurso desorganizado, sintomas negativos). Um Transtorno do Humor com Características Catatônicas é diferenciado, de maneira semelhante, pela ausência de evidências de uma condição médica geral etiologicamente relacionada à catatonia e pela presença de sintomas que satisfazem os critérios para um Episódio Depressivo Maior ou Episódio Maníaco.

Critérios Diagnósticos para F06.1 - 293.89 Transtorno Catatônico Devido a...
[Indicar a Condição Médica Geral]

A. Presença de catatonia, manifestada por imobilidade motora, atividade motora excessiva (aparentemente sem sentido e não influenciada por estímulos externos), extremo negativismo ou mutismo, peculiaridades do movimento voluntário, ecolalia ou ecopraxia.

B. Existem evidências, a partir da história, exame físico ou achados laboratoriais, de que a perturbação é a conseqüência fisiológica direta de uma condição médica geral.

C. A perturbação não é melhor explicada por outro transtorno mental (por ex., Episódio Maníaco).

D. A perturbação não ocorre exclusivamente durante o curso de um delirium.

Nota para a codificação: Incluir o nome da condição médica geral no Eixo I, por ex., 293.89 Transtorno Catatônico Devido à Encefalopatia Hepática; codificar, também, a condição médica geral no Eixo III (ver apêndice G para códigos).

 

F07.0 - 310.1 Alteração da Personalidade Devido a uma Condição Médica Geral

     DSM.IV

 

Características Diagnósticas
          A característica essencial de uma Alteração da Personalidade Devido a uma Condição Médica Geral é uma perturbação persistente da personalidade que o clínico julga ser devido aos efeitos fisiológicos diretos de uma condição médica geral. A perturbação da personalidade representa uma mudança no padrão prévio de personalidade característico do indivíduo. Em crianças, esta condição pode ser manifestada por um desvio acentuado do desenvolvimento normal, ao invés de uma alteração em um padrão estável de personalidade (Critério A). Deve haver evidências, a partir da história, exame físico ou achados laboratoriais, de que a alteração da personalidade é a conseqüência fisiológica direta de uma condição médica geral (Critério B). O diagnóstico não é feito se a perturbação é melhor explicada por outro transtorno mental (Critério C), nem se a perturbação ocorre exclusivamente durante o curso de um delirium ou se os sintomas satisfazem os critérios para uma demência (Critério D). A perturbação deve, também, causar sofrimento ou prejuízo significativo no funcionamento social, ocupacional ou em outras áreas importantes (Critério E). As manifestações comuns de alteração da personalidade incluem instabilidade afetiva, fraco controle dos impulsos, surtos de agressividade ou raiva em nítida desproporção com qualquer estressor psicossocial desencadeante, acentuada apatia, desconfiança ou ideação paranóide. A fenomenologia da alteração é indicada pelo uso dos subtipos relacionados abaixo. Um indivíduo com o transtorno freqüentemente é descrito pelos outros como "não sendo ele mesmo [ou ela mesma]". Embora compartilhe o termo "personalidade" com os Transtornos da Personalidade do Eixo II, este diagnóstico é codificado no Eixo I e distingue-se em virtude de sua etiologia específica, diferente fenomenologia e início e curso mais variáveis. O quadro clínico em um determinado indivíduo pode depender da natureza e localização do processo patológico. Uma lesão dos lobos frontais, por exemplo, pode provocar sintomas tais como falta de juízo crítico ou de capacidade de antever conseqüências, jocosidade, desinibição e euforia. Acidentes vasculares encefálicos que afetam o hemisfério direito podem freqüentemente provocar alterações de personalidade em associação com negligência espacial unilateral, anosognosia (incapacidade do indivíduo de reconhecer um déficit corporal ou funcional, tal como a existência de hemiparesia), impersistência motora e outros déficits neurológicos.

Subtipos
          A alteração da personalidade pode ser especificada indicando-se a sintomatologia predominante no quadro clínico.
Tipo Instável. Este subtipo é usado se a característica predominante é uma instabilidade afetiva.
Tipo Desinibido. Este subtipo é usado se a característica predominante é um fraco controle dos impulsos (evidenciado, por exemplo, por indiscrições sexuais).
Tipo Agressivo. Este subtipo é usado se a característica predominante é um comportamento agressivo.
Tipo Apático. Este subtipo é usado se a característica predominante é uma acentuada apatia e indiferença.
Tipo Paranóide. Este subtipo é usado se a característica predominante é a presença de desconfiança ou ideação paranóide.
Outro Tipo. Este subtipo seria usado, por exemplo, para uma alteração da personalidade associada com um transtorno convulsivo.
Tipo Combinado. Este subtipo é usado se mais de um aspecto predomina no quadro clínico.
Tipo Não Especificado.

Procedimentos de Registro
          Ao registrar Alteração da Personalidade Devido a Uma Condição Médica Geral, o clínico deve anotar tanto a fenomenologia específica da perturbação, incluindo o subtipo apropriado, quanto a condição médica geral que ele julga estar causando a perturbação no Eixo I (por ex., 310.1 Alteração da Personalidade Devido a Lúpus Eritematoso Sistêmico, Tipo Paranóide). O código da CID-9-MC para a condição médica geral (por ex., 710.0 lúpus eritematoso sistêmico) também deve ser anotado no Eixo II (Ver Apêndice G para uma lista dos códigos diagnósticos selecionados da CID-9-MC para condições médicas gerais).

Condições Médicas Gerais Associadas
          Uma variedade de condições neurológicas e outras condições médicas gerais podem causar alterações da personalidade, incluindo neoplasmas do sistema nervoso central, traumatismo craniano, doença cerebrovascular, doença de Huntington, epilepsia, condições infecciosas com envolvimento do sistema nervoso central (por ex., vírus da imunodeficiência humana), condições endócrinas (por ex., hipotiroidismo, hipo e hiperadrenocorticismo) e condições auto-imunes com envolvimento do sistema nervoso central (por ex., lúpus eritematoso sistêmico). Os achados associados do exame físico, achados laboratoriais e padrões de prevalência e início refletem aqueles da condição neurológica ou outra condição médica geral envolvida.

Diagnóstico Diferencial
          Condições médicas gerais crônicas associadas com dor e debilitação física também podem estar associadas com alterações da personalidade. O diagnóstico de Alteração da Personalidade Devido a Uma Condição Médica Geral é feito apenas quando é possível detectar um mecanismo fisiopatológico direto. A alteração da personalidade é um aspecto freqüentemente associado de uma demência (por ex., Demência do Tipo Alzheimer). Um diagnóstico em separado de Alteração da Personalidade Devido a Uma Condição Médica Geral não é feito se também são reunidos os critérios para uma demência, nem se a alteração ocorre exclusivamente durante o curso de um delirium. Além disso, o diagnóstico de Alteração da Personalidade Devido a uma Condição Médica Geral não é feito se a perturbação é melhor explicada por outro Transtorno Mental Devido a uma Condição Médica Geral (por ex., Transtorno do Humor Devido a Tumor Cerebral, Com Características Depressivas). As alterações da personalidade também podem ocorrer no contexto de uma Dependência de Substância, especialmente no caso de uma dependência de longa duração. O médico deve investigar atentamente a natureza e extensão do uso da substância. Se o profissional deseja indicar um relacionamento etiológico entre a alteração de personalidade e o uso de uma substância, a categoria Sem Outra Especificação pode ser usada para a substância específica (por ex., Transtorno Relacionado à Cocaína Sem Outra Especificação). Alterações acentuadas de personalidade também podem ser um aspecto associado de outros transtornos mentais (por ex., Esquizofrenia, Transtorno Delirante, Transtornos do Humor, Transtornos do Controle dos Impulsos Sem Outra Especificação, Transtorno de Pânico). Entretanto, nesses transtornos, nenhum fator fisiológico específico é considerado como estando etiologicamente relacionado à alteração da personalidade. A Alteração da Personalidade Devido a Uma Condição Médica Geral pode ser diferenciada de um Transtorno da Personalidade pela exigência de uma alteração clinicamente significativa a partir de um funcionamento básico da personalidade e da presença de uma condição médica geral etiológica e específica.

Critérios Diagnósticos para F07.0 - 310.1 Alteração da Personalidade Devido a... [Indicar a Condição Médica Geral]

A. Uma perturbação persistente da personalidade que representa uma mudança a partir de um padrão anterior da personalidade característico do indivíduo (em crianças, a perturbação envolve um acentuado desvio do desenvolvimento normal ou uma mudança significativa nos padrões habituais de comportamento, durando pelo menos 1 ano).

B. Existem evidências, a partir da história, exame físico ou achados laboratoriais, de que a perturbação é a conseqüência fisiológica direta de uma condição médica geral.

C. A perturbação não é melhor explicada por outro transtorno mental (inclusive outros Transtornos Mentais Devido a uma Condição Médica Geral).

D. A perturbação não ocorre exclusivamente durante o curso de um delirium e não satisfaz os critérios para uma demência.

E. A perturbação causa sofrimento ou prejuízo clinicamente significativo no funcionamento social, ocupacional ou em outras áreas importantes.

Especificar tipo:
Tipo Instável: se o aspecto predominante é uma instabilidade afetiva.
Tipo Desinibido: se o aspecto predominante é um fraco controle dos impulsos, evidenciado por indiscrições sexuais, etc.
Tipo Agressivo: se o aspecto predominante é um comportamento agressivo.
Tipo Apático: se o aspecto predominante é uma acentuada apatia e indiferença.
Tipo Paranóide: se o aspecto predominante é desconfiança ou ideação paranóide.
Outro Tipo: se o aspecto predominante não é qualquer um dos acima, por ex., alteração da personalidade associada a um transtorno convulsivo.
Tipo Combinado: se há predominância de mais de um aspecto no quadro clínico Tipo Não Especificado.

Nota para a codificação: Incluir o nome da condição médica geral no Eixo I, por ex., 310.1 Alteração da Personalidade Devido à Epilepsia do Lobo Temporal; codificar também a condição médica geral no Eixo III (ver Apêndice G para códigos).

 

F09 - 293.9 Transtorno Mental Sem Outra Especificação Devido a uma Condição Médica Geral

     DSM.IV

 


          Esta categoria residual deve ser usada para situações nas quais foi estabelecido que a perturbação é causada pelos efeitos fisiológicos diretos de uma condição médica geral, mas não são satisfeitos os critérios para um Transtorno Mental Devido a uma Condição Médica Geral específico (por ex., sintomas dissociativos devido a convulsões parciais complexas). Nota para a codificação: Incluir o nome da condição médica geral no Eixo I, por ex., 293.9 Transtorno Mental Sem Outra Especificação Devido à Doença do HIV; codificar também a condição médica geral no Eixo III (ver Apêndice G para códigos).