Especificador Com Características Melancólicas

        O especificador Com Características Melancólicas pode ser aplicado ao Episódio Depressivo Maior atual (ou mais recente) que ocorre no curso de um Transtorno depressivo Maior e a um Episódio Depressivo Maior no Transtorno Bipolar I ou Transtorno Bipolar II apensa se este é o tipo mais recente de episódio de humor. A característica essencial de um Episódio Depressivo Maior, Com Características Melancólicas, é a perda de interesse ou prazer por todas ou quase todas as atividades ou uma falta de reatividade a estímulos habitualmente agradáveis. O humor depressivo do indivíduo não melhora, mesmo temporariamente, quando alguma coisa boa acontece (Critério A). Além disso, pelo menos três dos seguintes sintomas estão presentes: uma qualidade distinta de humor depressivo, depressão regularmente pior pela manhã, despertar muito cedo pela manhã, retardo ou agitação psicomotora, anorexia ou perda de peso significativa, ou culpa excessiva ou inadequada (Critério B).

        O especificador Com Características Melancólicas é aplicado se tais características estão presentes no período mais grave do episódio. Existe uma ausência quase completa, não meramente uma diminuição, da capacidade para o prazer. Uma diretriz para a avaliação da falta de reatividade do humor é que, mesmo quando ocorrem eventos muito desejados, o humor depressivo não melhora absolutamente, ou melhora apenas em parte (p. ex., até 20-40% do normal, durante alguns minutos apenas). A qualidade distinta do humor, característica do especificador Com Características Melancólicas, é vivenciada pelos indivíduos como sendo qualitativamente diferente da tristeza sentida durante o luto ou um episódio depressivo sem melancolia. Isto pode ser determinado pedindo-se à pessoa que compare a qualidade do humor depressivo atual com humor experimentado após a morte de um ente querido. Um humor depressivo descrito como meramente mais grave, mais persistente ou sem razão não é considerado de qualidade distinta. Alterações psicomotoras quase sempre estão presentes e são observadas por outras pessoas. Os indivíduos com características melancólicas estão menos propensos a ter um transtorno da Personalidade pré-mórbido, a ter um claro desencadeante para o episódio e a responder a um ensaio terapêutico com placebo. Quanto menor a tendência a responder ao placebo, maior é a necessidade de tratamento ativo com antidepressivos.

        Estas características exibem uma tendência apenas modesta a repetirem-se em episódios subseqüentes no mesmo indivíduo. Elas são mais freqüentes em pacientes internados, ao contrário dos ambulatoriais, e tendem menos a ocorrer em Episódios Depressivos Maiores mais leves do que nos mais graves. As características melancólicas também têm maior possibilidade de ocorrer com características psicóticas. Os achados laboratoriais mais freqüentemente associados com características melancólicas são a não-supressão de dexametasona; concentrações elevadas de cortisol no plasma, na urina e na saliva; alterações dos perfis de EEG do sono; teste anormal de estimulação com tiramina; e uma assimetria anormal na audição entre os dois ouvidos.

Critérios para Especificador com Características Melancólicas

Especificar se:

Com Características Melancólicas (pode ser aplicado ao Episódio Depressivo Maior atual ou mais recente no Transtorno Depressivo Maior ou a um Episódio Maior no Transtorno Bipolar I ou Transtorno Bipolar II, apenas se este é o tipo mais recente de episódio de humor).

A. Qualquer um dos seguintes quesitos, ocorrendo durante o período mais grave do episódio atual:

(1) perda de prazer por todas ou quase todas as atividades.
(2) falta de reatividade a estímulos habitualmente agradáveis (não se sente muito melhor, mesmo temporariamente, quando acontece alguma coisa boa).

B. Três (ou mais) dos seguintes quesitos:

(1) qualidade distinta de humor depressivo (i.e, o humor depressivo é vivenciado como nitidamente diferente do tipo de sentimento experimentado após a morte de um ente querido).
(2) depressão regularmente pior pela manhã.
(3) despertar muito cedo pela manhã (pelo menos 2 horas antes do horário habitual).
(4) acentuado retardo ou agitação psicomotora.
(5) anorexia ou perda de peso significativa.
(6) culpa excessiva ou inadequada.